Buscar
  • Psicóloga Luciana Salvador

Quando a morte de alguém famoso ativa nossos traumas




A trágica e precoce morte da cantora Marília Mendonça na semana passada parece ter gerado em muitas pessoas não somente a perplexidade diante da situação ocorrida e sentimentos de luto de quem era fã, mas a ativação de traumas antigos. Chamou minha atenção o fato de alguns pacientes no consultório nessa semana comentarem sobre a morte da artista com muita intensidade (mesmo para quem não a conhecia tão bem). Ao trabalharmos psicoterapicamente ao que esse reação forte estava ligada, percebi que muitos traumas que estavam “de baixo do tapete” foram ativados- ou reativados. As pessoas associaram o ocorrido desde ao medo da própria morte e de alguém querido morra de maneira repentina até a sentimentos de injustiça, de impotência ou ainda de não ter podido “despedir-se” de alguém que foi embora em sua vida.

Como refere Ruppert e Banzhat, o trauma psicológico tem relação com consequencias psicológicas advindas de um evento agudo ou crônico opressivo que a pessoa viveu.

Quando temos traumas ou, como chama Martin Teicher, “feridas que não cicatrizam”, o que acontece fora de nós pode facilmente tirar aquela casca da ferida do passado e sofremos mais intensamente do que gostaríamos por alguém que nem conhecemos. Além da compaixão e do luto – reações comuns diante de uma tragédia, o sofrimento intenso muitas vezes está relacionado a traumas, situações abertas que não foram elaboradas adequadamente. Viver com feridas abertas faz com que qualquer um ou qualquer situação possa ser potencialmente devastadora para nós.



354 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo